9 de outubro de 2013

Janelle Monáe - The Electric Lady


Janelle Monáe não enfrentava uma tarefa fácil ao ter de suceder um álbum tão pretencioso (no bom sentido da coisa) e conceitual como "The ArchAndroid".
Este disco acabou por ficar mais na memória por hinos pop como 'Tightrope' e 'Cold War', do que pelo imaginário de robôs humanizados e estranheza Kubrikiana que é a imagem de Monáe. Foi devido à força dessas canções que a cantora ganhou o pedigree suficiente para reunir em "The Electric Lady" um conjunto de convidados que vai do saber de Prince e Erykah Badu à frescura de Miguel, Solange e Esperanza Spalding. Pelo meio, também não fez mal ter emprestado a voz a uma certa canção dos Fun... 

"The Electric Lady" apresentou-se logo com o vídeo para 'Q.U.E.E.N.', onde Monáe continua a mover-se num cenário futurista, cujo tradicional fundo preto e branco já aparece cortado por retalhos vermelhos, como a faixa com forma humanóide que decora a fatiota da cantora. O som continua a ser uma mistura inteligente de funk e soul, com os teclados a assumirem o protagonismo. Faltava-lhe talvez a garra e sobretudo o fator surpresa de um 'Tightrope' e dava claramente a sensação de este ser um disco que, apesar de tudo, foi mais pensado do que o seu antecessor. A canção mais descontraída e com mais sabor de pista de dança do registo é o segundo single, 'Dance Apocalyptic'

A estrutura formal de "The Electric Lady" volta a dividir-se em vários actos, logo, não é errado chamar-lhe de novo um disco conceptual. Mas desta feita, mais do que uma espécie de tratado para uma sociedade distópica, este álbum parece um programa de rádio, cortado de tempos a tempos por um locutor meio doido. Esta estrutura serve bem a temática do álbum . Mas não no sentido em que é vulgarmente usado no pop. Aqui, o sexo é tratado como uma afirmação e não como uma oferta. A certa altura, alguém solta a frase 'robot love is queer/o amor robô é gay' ou 'I am a freak because I love watching Mary', frases com duplo sentido óbvio onde Monáe rasga a pele da andróide Cindy Mayweather. 

Só para acabar de vez com as comparações com o antecessor, resta dizer que "The Electric Lady" volta a ser, com sucesso, um disco a olhar para o futuro viajando para o passado. Só não o consegue fazer sempre tão bem em todos os momentos como "The ArchAndroid". Mantém a integridade retro-soul em temas como 'Ghetto Woman', viaja por terrenos mais r&b em canções como 'It's Code', 'What an Experience' e 'Dorothy Dandridge Eyes' e consegue momentos de envolvência cinematográfica que parecem fora do seu tempo. Outra das suas virtudes é deixar os convidados brilhar, como a guitarra de Prince em 'Givin Em What They Love' - parece haver um reservatório rock em Monáe que ainda não foi totalmente explorado.

Chamar a "The Electric Lady" um disco feminista é quase uma redundância mas é ao mesmo tempo redutor, tal como o termo feminismo encerra em si uma premissa de redução de algo que não deveria ser diferenciado à partida. Na capa, por exemplo, há muitas Janelletes, mas só há uma Janelle. Não há nada que Monáe faça que não venha agarrado a um profundo sentido de integridade pessoal e feminina, apesar da sua figura mais andrógena. Não é feito de forma militante e 'in your face', mas sim pela recusa palpável em ser enfiada numa camisa de forças estilística como a indústria gosta de fazer.Mesmo que essa dispersão faça com que musicalmente este disco não deixe uma impressão tão forte como se anteciparia, com o seu jeito alá James Brown meets Etta James, meio Dorothy ("Feiticeiro de Oz") e HAL (computador de "2001 Odisseia no Espaço"), Monáe representa um tempo que chegou sem darmos por isso.


Veja também:




Fonte:cotonete

Nenhum comentário:

Insira aqui o seu email para receber gratuitamente as atualizações do blog!

Google+ Followers

Translate

Visualizações de página!!

Visitantes

free counters

doistoquesdobrasil.blogspot.com